Resenha: Sombras Eternas

Escrito por: | em 29/02/2016 | Adicionar Comentário |

No momento que eu escrevo esta resenha, eu já li a trilogia completa da Companhia Negra do Glen Cook, sendo que o primeiro livro já foi objeto de um podcast nosso. Mas fiz esta afirmação anterior para poder estabelecer que tendo lido a trilogia, acredito que Sombras Eternas seja o melhor livro dentro dela.

IMG_20160221_164933811

Sombras Eternas foi publicado em 1984, no mesmo ano da Companhia Negra, apenas cinco meses depois, e seu enredo começa alguns anos após a guerra ao fim da Companhia Negra, onde os exércitos da Dama esmagaram os rebeldes. A história se passa principalmente em Zimbro, e narra as desventuras da Companhia naquela cidade.

Sem dar spoilers, o que posso falar é que Sombras Eternas é meu livro favorito da trilogia da Companhia Negra. O local onde se passa, a cidade gigantesca de Zimbro, cheia de favelas, cortiços e muquifos, é uma localidade urbana instigante para um livro de fantasia, e o novo personagem principal, Barraco Castanho, é um sujeito terrível, mesquinho, trapaceiro, mas muito interessante de se observar em sua vida bizarra.

O ambiente urbano também traz uma estranha leveza para o livro, como se Glen Cook estivesse mais à vontade escrevendo este livro em comparação com os demais. Mas seu estilo esquisito de narrativa continua, mas ele cada vez mais dá um gosto único para o livro, ainda mais se considerando a fadiga que estou tendo de livros de fantasia tradicionais.

Acho um pouco estranho a guinada feroz que ele dá na história de Corvo, mudando radicalmente a apresentação de seu personagem e introduzindo novos elementos à sua história, que faz com que seu comportamento e, eventualmente, a conclusão de sua história não sejam nada do que o leitor aguardava, ainda mais considerando-se a narrativa do personagem no primeiro livro.

Mas no final das contas o livro é isso, uma fantasia tão fortemente diferenciada das demais, que você leitor habituado com livros do gênero, não deixará de estranhar. Mas não torça o nariz e não despreze este livro, porque ele tem o poder de te surpreender de muitas maneiras diferentes. Na verdade, a narrativa do livro é seu ponto forte no final, não criaturas fantásticas ou o cenário sombrio, que tantos outros livros já possuem.

Dou oito tapetes voadores para Sombras Eternas.

Edição que eu li: Editora Record, 2013. Tradução de Domingos Demasi.




Categorias: Resenha
Tags: , , , ,

Gustavo Domingues

Leitor inveterado e crítico mal humorado, pretende criticar todos os autores até alienar a literatura para sempre!

Adicione um comentário