Distopia, um cenário prolífico da literatura.

Publicado em by Gustavo Domingues | em Diversos | 3 Comentários

Hoje vou falar sobre o que talvez seja o meu cenário favorito da literatura: a distopia.

Talvez isto seja injusto, pois a Distopia é uma definição que engloba muitos cenários famosos e interessantes em que se passam sagas inteiras.

A distopia, por definição, é o antônimo da utopia, ou como queiram, antiutopia. Uma idéia, pensamento ou filosofia que engloba uma ficção com uma sociedade alternativa e corruptível, com regras morais flexíveis e caos ou totalitarismo como regra geral.

Não faça esta expressão, você sabe do que eu estou falando.

A distopia nasceu da própria definição de utopia, uma palavra inventada por Thomas More ao ouvir os relatos de Américo Vespucio sobre a ilha de Fernando de Noronha. Imaginando, assim, uma sociedade ideal: produtiva, harmonioza e igualitária. Irônico a utopia vir do Brasil, não?

Como você já deve imaginar, Continue lendo…

Nothing Lasts Forever: Você não conhecia o livro de Duro de Matar

Publicado em by Gustavo Domingues | em Curiosidades | 5 Comentários

Apesar do baixo índice de comentários, o post do livro do Rambo é notadamente um dos mais visitados do site (sendo que inclusive me rendeu a informação de que existe uma versão traduzida, apesar de impossível de ser encontrada), e desta forma, nada mais natural do que surpreender vocês novamente com a versão literária de outro clássico de ação dos anos 80:

Opa! Este é o pôster japonês!


Duro de matar é  baseado no livro Nothing Lasts Forever de Roderick Thorp, que na realidade é uma sequência ao livro The Detective, que por sua vez deve ter ganho inúmeors prêmios por seu título original.

The Detective tem uma versão cinematográfica também, mas o personagem principal foi interpretado por alguem bem menos conhecido que Bruce Willis… Frank Sinatra.

Nothing Lasts Forever mostra o policial de Nova York, Joe Leland, preso em um prédio gigantesco em Los Angeles e lacrado por terroristas que se entricheiraram com armas pesadas e reféns. Joe então Continue lendo…

Lançamento do mês: A Fúria dos Reis (As crônicas de Gelo e Fogo)

Publicado em by Thaís Priolli | em Notícias | 2 Comentários

Será lançado este mês o livro “A Fúria dos Reis”, segundo volume da série As Crônicas de Gelo e Fogo, que teve como primeiro livro “A Guerra dos Tronos”. Ambos foram escritos por George R. R, ele já é conhecido como o Tolkien americano.

O segundo livro continua a história dos sete reinos, e a ameaça virá também do alto, quando um cometa vermelho como sangue cruza os céus. Continue lendo…

Capítulo 14 – Brumas de Avalon: A Grande Rainha

Publicado em by Dani Toste | em Podcast | 19 Comentários

O PODCAST:

Capítulo 14 - A Grande Rainha

Play
Play

Baixe a versão zipada: Em Breve.

Nota: Este podcast contém Spoilers.

Continue lendo…

Criadores de Mundos: Arthur Conan Doyle

Publicado em by Renan MacSan | em Criadores de Mundos | 7 Comentários

Se me permitem vou propor um rápido exercício: ao citar o gênero Romance Policial qual o primeiro personagem que vem à sua mente? Aposto que a maioria pensou em Sherlock Holmes, certo? Não há como negar a influência do velho detetive na história da literatura.

Há alguns anos atrás me dei conta de que nunca havia lido nada de Sherlock Holmes. Claro que conhecia o personagem por meio de diversos filmes e referências da cultura popular, mas não conhecia o original. Resolvi remediar isso comprando a coletânea Sherlock Holmes: Edição Completa da editora Agir.

Se você é apenas um curioso talvez não valha a pena obter todas as histórias do detetive, mas sem dúvida alguma é um livro que justifica seu preço. Com capa dura e bom acabamento é uma obra a ser guardada, aqui são reunidos em 936 páginas todos os 4 romances e 56 contos. Seus avós sabiam quem era Holmes e seus netos concerteza o saberão.

O homem por trás do investigador era o escocês Arthur Conan Doyle, que acabou recebendo o título de cavalheiro em 1902, portanto chamem-no de Sir, por favor, ou Doutor se preferirem, pois também era médico. Acontece que ainda no início da carreira, com poucos pacientes o visitando em seu consultório, Doyle tinha tempo suficiente para praticar o hobby da escrita e foi assim que surgiu Holmes. Continue lendo…

Review: O Afegão

Publicado em by Eric Torres | em Review: Literatura | 5 Comentários

Frederick Forsyth é reconhecido hoje como um dos maiores escritores de espionagem internacional, e não é exatamente sem motivo.  O Afegão é mais uma obra que retoma a boa dose de intriga entre agências de inteligência e organizações terroristas do mundo árabe, de uma maneira bem similar ao Dossiê Odessa.

Com uma fórmula simples baseada na infiltração de um espião dentro do grupo inimigo, O Afegão parece pouco criativo para quem já conhece outras obras do autor. No entanto, apesar da fórmula poder ser resumida em poucas palavras, todo o contexto que se sobrepõe a base é muito melhor desenvolvido do que o protagonizado por Peter Miller na Odessa.

Quando os serviços secretos dos Estados Unidos e da Inglaterra descobrem que há um ataque terrorista sendo planejado pela Al-Qaeda, o qual parece ter proporções muito maiores do que os atentados já vistos, os meios de ação fogem do tradicional. Não adianta usar um Continue lendo…

Review: Nada de novo no front

Publicado em by Eric Torres | em Review: Literatura | 2 Comentários

“Sou jovem, tenho vinte anos, mas da vida conheço apenas o desespero, o medo, a morte e a mais insana superficialidade que se estende sobre um abismo de sofrimento. Vejo como os povos são insultados uns contra os outros e como se matam em silêncio, ignorantes, tolos, submissos e inocentes… Que esperam de nós, se algum dia a guerra terminar? Durante todos esses anos, nossa única preocupação foi matar. Nossa primeira profissão na vida. Nosso conhecimento da vida limita-se à morte. Que se pode fazer, depois disto? Que será de nós?”

Quando pensamos em livros sobre guerras a primeira imagem que vem é da exaltação da coragem do soldado, de como ele consegue pular todos os obstáculos do conflito para impor o seu lado. Por trás de tudo isso tem o aspecto romântico que deixa a batalha simplesmente deliciosa, chegando algumas vezes a ser limpa e agradável, nada mais que um simplório joguete em que somente a honra pode ser mutilada.

Em Nada de Novo no Front, de Erich Maria Remarque, esse caráter belicoso é colocado de lado em prol de Continue lendo…

Lançamento do mês: Dezesseis Luas (Beaultiful Creatures)

Publicado em by Thaís Priolli | em Notícias | 4 Comentários

Será lançado esse mês no dia 28/02 o livro Dezesseis Luas das escritoras Kami Garcia e Margaret Stohl da série que terá como nome Beaultiful Creatures, o livro foi lançado no final de 2009 nos EUA e já é considerado mais um próximo Harry Potter, e em algumas críticas foi comparado também com Crepúsculo. (Espero que as comparações não prejudiquem o livro e que ele não sofra preconceito por conta disso)

“Pacote completo: um cenário assustador, uma maldição fatal, reencarnação, feitiços, bruxaria, vudu e personagens que simplesmente prenderão o leitor até o fim…” Voya

O personagem principal do livro é Ethan Wate, que mora numa pequna cidade do Sul chamada Gatlin, e tem uma vida nada agitada até a chegada de Lena Duchannes, que vai revelá-lo um mundo secreto. Segue uma parte do livro Continue lendo…

Leitura Séria: O Domínio da Vida

Publicado em by Dani Toste | em Review: Leitura Séria | 2 Comentários

O livro “O Domínio da Vida: Aborto, Eutanasia e Liberdades Individuais”, de Ronald Dworkin, foi certamente um dos melhores livros “sérios” que eu li na minha vida.

Descobri esse livro meio sem querer, procurando pela palavra “aborto” no Buscapé quando estava buscando alguns livros para a minha monografia, e no fim ele acabou facilitando MUITO o meu trabalho, não apenas porque ele tratava de algumas coisas que eu queria mencionar na monografia, mas principalmente porque ele me ajudou a ver de uma maneira extremamente clara a construção do meu próprio raciocínio acerca do tema.

O livro parte de uma idéia muito interessante, de que os argumentos sobre a relação entre o aborto e direito à vida se dividem em dois:  o primeiro, que ele chama de derivativo, pressupõe que o feto seja uma pessoa desde a concepção, com inter esses próprios e dignos de proteção; o segundo, que ele chama de independente, pressupõe que Continue lendo…

Review: O Dossiê Odessa

Publicado em by Eric Torres | em Review: Literatura | 1 Comentário

Meu nome é Salomon Tauber. Sou judeu e vou morrer. Resolvi terminar minha vida porque esta não tem mais valor algum e nada mais me resta fazer. As coisas que procurei fazer com minha vida deram em nada e meus esforços não surtiram efeito…Só continuei vivo tanto tempo porque havia mais uma coisa que eu queria fazer, uma coisa que eu queria ver e agora sei que nunca acontecerá”

A Segunda Guerra Mundial acabou e a Alemanha capitula na mais amarga das derrotas. Tudo pareceria ter simplesmente acabado se não fosse outra tentativa de perpetuar o erro, agora com uma nova arma: ODESSA.

Odessa é muito mais do que o nome de uma bela cidade litorânea da Ucrânia. Sob suas letras se esconde a organização de ex membros da SS (Organisation der Ehemaligen SS-Angehörigen), responsável por proteger os antigos kameraden dos julgamentos por crimes contra a humanidade e, em último grau, de livrar o mundo de uma ameaça causada pelos judeus. Sim, de novo a mesma história.

Em Dossiê Odessa, Frederick Forsyth constrói um Continue lendo…