Outras Mídias: Peter Pan

Escrito por: | em 07/02/2010 | Adicionar Comentário |

Bom, lá estava eu pensando sobre o que falar na próxima edição da minha coluna, dando uma olhada na minha micro-biblioteca, quando percebi um dos poucos casos em que eu efetivamente tenho duas versões diferentes da mesma história: Peter Pan.

As versões que eu tenho são o livro (é claro) e o DVD da Disney (um clássico fantástico), mas resolvi fazer uma coluna tripla, e comprar com uma terceira e relativamente atual versão, que é o filme de 2003.  Eu resolvi falar sobre duas adaptações porque são, até o momento, minhas adaptações favoritas.

OBRA ORIGINAL OBRA DERIVADA 1 OBRA DERIVADA 2
Capa
Título Peter Pan
Peter Pan Peter Pan
Autor ou Diretor J.M.Barrie
Milt Banta, William Cottrell,
Winston Hibler, Bill Peet,
Erdman Penner, Joe Rinaldi,
Ted Sears, Ralph Wright
P. J. Hogan,
Michael Goldenberg
Editora ou Estúdio N/A
Walt Disney
Patrick McCormick
Tipo Livro Desenho Animado
Filme


Vale lembrar, para quem não sabe, que na verdade acho que não seria um termo muito correto dizer que o livro “Peter Pan” seja a obra original, já que a história foi escrita para o teatro, por isso preferi usar o título “obra principal” que nesse caso é para ter o sentido de ser a obra à qual eu estou comparando as demais e, de certa forma, foi a versão que imortalizou a história (eu acho). Ironicamente, das inúmeras versões que eu conheci desse clássico, a peça teatral foi uma com a qual eu nunca tive contato e que espero muito ter chance de conhecer um dia.

Mas, vamos ao que interessa, que são as adaptações. Como vou falar de três coisas ao mesmo tempo, resolvi dividir mais ou menos em dois tópicos.

# Fidelidade

Bom, em termos de fidelidade à história principal, devo dizer que o filme de Patrick McCormick fica com prêmio, embora não seja uma réplica perfeita da história do livro.

Eu diria que o filme se preocupou bastante em ser fiel aos aspectos mais marcantes e que imortalizaram “Peter Pan” ao longo dos anos, como o beijo-dedal e a origem e a extinção das fadas. Se vocês forem como eu, vão se pegar falando “eu acredito em fadas” no meio do filme, para trazer a sininho de volta, que acho inclusive que é uma sensação que J.M.Barrie queria dar ao público no formato original da história.

O Desenho da Disney pula essas partes e de certa forma se foca na magia e diversão da Terra do Nunca, o que eu acho que condiz perfeitamente com o que os desenhos animados se propõe a ser. Ainda assim, devo dizer que quando comprei o DVD, assistindo-o depois de ter lido o livro, eu senti um pouco de falta dessas passagens, porque para mim são partes particularmente interessantes do livro. Repito, no entanto, que não acho que isso tenha sido um erro dos criadores do desenho, que atende muito bem à sua própria mídia e ao seu próprio público.

# Autenticidade

Esse critério de certa forma é oposto ao anterior, mas não necessariamente, para mim reflete mais o quanto uma obra é única, ainda que seja uma adaptação de outra obra.

Honestamente acho que as duas obras derivadas têm sua própria autenticidade, mas se eu tivesse que escolher entre uma das duas certamente escolheria o desenho da Disney. Nesse ponto talvez eu até pareça puxa-saco, mas acho que é uma característica do estúdio mesmo: podem haver dezenas de desenhos retratando a mesma história, mas nenhum é tão belo ou tão único.

De certa forma, para mim, um dos melhores elementos no desenho e que reforça o que acabei de dizer são as músicas: letra, melodia, tudo. Se por um lado o desenho deixa um pouco da magia da Terra do Nunca de lado ao omitir algumas partes do livro, ele certamente compensa colocando isso tudo nas musicas, especialmente (em minha opinião) “You can fly”.

O filme, até por ser uma proposta diferente, não tem o mesmo tipo de magia do desenho, acho que o principal foco de diferença, nesse caso, é o romance entre a Wendy e o Peter. É claro que de certa forma ele existe em todas as versões do Peter Pan, mas acho que na maioria dos casos ele tem um tom mais de coisa de criança e menos de romance do que no filme.

Isso porque, embora o Peter certamente goste bastante da Wendy, no geral ele ainda se esquece dela em alguns momentos, e, ao menos ao meu ver, ela é mais uma amiga menina (e talvez tão especial por ser a única) do que um par romântico de verdade.

Acho bem provável que o filme tenha focado mais nesse romance para se adaptar ao público dos cinemas, mas não acho que isso seja necessariamente uma coisa ruim. De certa forma o filme acaba chamando a atenção para outras questões sobre crescer, sobre o amor, sobre a solidão e tudo mais.

O que eu prefiro? Acho que essa seria uma das decisões mais difíceis em termos de adaptações, porque realmente acho que cada obra tem um ponto forte diferente e cada uma me atrai mais ou menos dependendo do que eu estiver procurando: em termos de história prefiro a do livro, logo, em termos de adaptação da história (se quiser me lembrar dela sem ter que gastar o tempo de leitura) o filme, mas definitivamente o melhor entretenimento e o que mais coloca um sorriso no meu rosto é o desenho.

Conclusão: Se você, como eu, gosta de histórias sobre viagens a terras mágicas nascidas da imaginação e dos sonhos humanos, definitivamente vai gostar de qualquer uma dessas versões. Se prefere histórias curtas, belas e inspiradoras (com uma pitadinha daquele humor lírico da Disney), eu recomendo o desenho; se prefere romance e aventura, provavelmente o filme lhe cairá melhor.

Avaliação: Bom, como falei de duas obras acho que o melhor é avaliá-las individualmente.

Para o Desenho da Disney, pela magia contagiante eu atribuo nota 04, não há muito a se dizer, mas acho que o fato de ser um dos poucos DVDs que eu fiz questão de comprar já diz muito.

Para o Filme, eu atribuo nota 03, porque no fim das contas apesar de ser um bom filme, acho que eu trocaria os elementos de autenticidade por uma versão completamente fiel do livro, que seria com certeza faria dela uma versão definitiva.

Minha avaliação do livro fica para o podcast.

Por fim, deixo uma dica: Existe um filme, chamado “Em busca da Terra do Nunca” (“Finding Neverland” no original) que conta a história do escritor de Peter Pan: James Matthew Barrie. Honestamente eu não sei o quanto a história se baseou na realidade, mas o filme é absolutamente lindo e extremamente emocionante e eu recomendo muito.

OBRA PRINCIPAL OBRA DERIVADA 1 OBRA DERIVADA 2
CAPA
TÍTULO Peter Pan Peter Pan Peter Pan
CRIADOR J.M.Barrie Milt Banta, William Cottrell, Winston Hibler, Bill Peet, Erdman Penner, Joe Rinaldi, Ted Sears, Ralph Wright P. J. Hogan,
Michael Goldenberg
PRODUÇÃO N/A Walt Disney Patrick McCormick
TIPO Livro Desenho Animado Filme



Categorias: Outras Mídias
Tags: , , , , , , ,

Dani Toste

Advogada, jogadora de RPG, viciada em internet, amante de de livros, séries, música e filmes. Acha que o Lewis Carrol é um gênio, é obcecada pelos livros da Alice que considera os melhores do mundo.

Comentário sobre Outras Mídias: Peter Pan

  1. Isa Casaca

    Existe um filme que fez parte da minha infância, chamado Hook, A Volta do Capitão Gancho, com Robin Williams, e vale com uma aventura divertida e descompromissada.

Adicione um comentário