Curiosidades de O Guia dos Mochileiros das Galaxias

Escrito por: | em 09/03/2010 | Adicionar Comentário |

Muitos sabem que o Guia dos Mochileiros das Galáxias é um livro sem noção, sem explicação, sem respostas e com muito bom humor, diversão e uma forma revolucionária de ver o espaço. Mas o que poucos sabem é que além de Ford Escort, nome de Ford Prefect na tradução para o francês, como dito no GrifoCast, O Guia dos Mochileiros das Galáxias possui muitas curiosidades.

Não entre em pânico que vamos começar uma viagem por um lugar muito maior e mais vasto que o universo, ainda mais imprevisível que o Gerador de Probabilidade Infinita. A nave Coração de Ouro acaba de aterrissar na mente de Douglas Adams e no mundo criado a partir de suas teorias, idéias, historias e todo o resto.

O Guia do Mochileiro das Galáxias diz que Douglas Adams é um escritor que já foi guarda-costas, construtor de cachoeiras, porteiro de hospital, limpador de galinheiros, editor da série de TV Doctor Who, alem de ter sido escritor e locutor de um livro chamado O Guia do Mochileiro das Galáxias.


Douglas Adams era um visionário e em 1978 em seu programa de radio já idealizava um produto igual ao atual Kindle, e-reader da Amazon, lançado em 2007 e mais do que isso foi homenageado no mundo da tecnologia diversas vezes. Um dos tradutores mais famosos da internet o Babel Fish foi batizado em homenagem ao peixe babel de seu livro, assim como o comunicador de mensagens instantâneas Trillian em homenagem a personagem de mesmo nome.

E mesmo em sua genialidade Douglas Adams aquele que disse que a poesia Vorgon é apenas a 3ª pior do universo, sendo a primeira a poesia de Paula Nancy Millstone Jennings, mas na verdade o nome correto da autora da pior poesia do mundo era Paul Neil Milne Johnstone uma pessoa real. Como tenho certeza que você não teria coragem para ouvir uma poesia de tão mal gosto, um trecho da 3ª pior:

Ó fragúndio bugalhostro

tua micturição é para mim

Qual manchimucos num lúrgido mastim.

Frêmeo implochoro-o, ó meu perlíndromo exangue.

Adrede me não apagianaste a crímidos dessartes?

Ter-te-ei rabirrotos, raio que o parte!

E pior que a poesia Vorgon seria imprimir o Guia do Mochileiro das Galaxias apresentado no livro, o que representaria uma quantidade de papel suficiente para encher muitos prédios, a quantidade exata não pode ser calculada nem pelos tons de azuis surpreendentemente inteligentes.

Para os fãs do livro foi anunciado em janeiro de 2010 que o sexto livro será finalmente publicado no Brasil com o nome “Só mais uma coisa” e será editado pelas editoras Record e Sextante, então podem ficar de olho que assim que botar as mãos nesse livro que tanto assusta os fãs do Guia dos Mochileiros das Galáxias, terei o prazer de resenhá-lo para os senhores leitores que o Guia do Mochileiro das Galáxias descreve como:

“Pessoas que tentavam exercitar seus cérebros através da leitura, um habito que foi deixado de lado desde a criação do Guia do Mochileiro das Galáxias em sua atualização numero 42 quando foi adicionado leitor de voz. O que por sua vez levou muitos mochileiros a morte pela A Terrível Besta Voraz de Traal que acha que se você pode falar com ela então ela pode comê-lo”

E por fim se quer conhecer um pouco mais sobre Douglas Adams fique de olho no filme, no passeio de Slartibartfast pela galáxia o rosto de Douglas pode ser visto como um planeta e lembre-se Não entre em pânico afinal Resistir é inútil.

(OBS: Esse post foi escrito pelo Goblin)




Categorias: Curiosidades, Diversos
Tags: , , ,

Dani Toste

Advogada, jogadora de RPG, viciada em internet, amante de de livros, séries, música e filmes. Acha que o Lewis Carrol é um gênio, é obcecada pelos livros da Alice que considera os melhores do mundo.

Loading Facebook Comments ...

4 Comentários sobre Curiosidades de O Guia dos Mochileiros das Galaxias

  1. Cutia

    Retificado, rs

    Bom, outra curiosidade. Mas apenas do filme.
    Há um easter egg. Numa partição do planeta Vogon aperece um robo “quadradão” (estilo os brinquedos do Kiko). Este robo foi usado numa adaptação (de algus capitulos apenas) da BBC, onde o proprio Adams ajudou.
    E o filme, a primeira vista, pode parecer “ruim” para os fãs. Mas se levar em conta (como foi dito no cast) que a história não tem Trama, “inicio/meio/fim”, o filme faz uma tentativa de fazer um roteiro bem “fechado”. E na boa, o filme tem seu lado non-sense bem legal…

  2. Luis Fernando

    Acabei de iniciar a leitura e já nas primeiras páginas dei um breve sorriso, bem no meio do vagão do Metrô de São Paulo. E isso é muito pra mim! Mas me surpreendeu.
    De cara achei o humor bem inglês daqueles anos, na linha Monty Phyton.

    • Raphael Almeida

      Se pareceu com Monty Phyton porque em parte é Monty Phyton, o Douglas Adams foi roteirista de algumas esquetes do Flying Circus.

  3. Anndrey

    Nem sei descrever o tão legal que é esse livro.
    Meu livro preferido, referencia de leitura.

Adicione um comentário