O Hobbit, Quadrinhos: Martins Fontes, 2009

Escrito por: | em 30/08/2010 | Adicionar Comentário |

Eu fiquei um bom tempo me perguntando se a review de edição de hoje não era uma trapaça. Isso porque, a intenção original dessa coluna é ajudar os leitores na escolha de uma edição (especialmente as mais bonitinhas) de um livro que possui mais de uma.

O livro de hoje, no entanto, não é uma edição, mas uma adaptação e, para falar a verdade, nem chega a ser um livro. Ainda assim, não deixa de ser uma versão “especial” de um clássico que até já teve um capítulo de podcast aqui no Grifo Nosso (um dos meus favoritos).

Título: O Hobbit
Autor: J.R.R. Tolkien
Adaptação: Charles Dixon com Sean Deming
Tradução: Luzia Aparecida dos Santos e Ronald Eduard Kyrmse
Ilustrações: David Wenzel
Edição: São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009
ISBN: 978-85-7827-195-4

Capa de "O Hobbit" em quadrinhos

Descrição:

A minha primeira impressão da edição, julgando pela capa, foi muito boa e um dos motivos para isso foi o colorido da imagem. Eu tenho um sério problema com quadrinhos escuros: eles me desmotivam MUITO, nesse ponto acho que sou que nem criança, desenhos coloridos e bonitinhos chamam a minha atenção.

Pode até ser uma coisa meio boba de se apontar, mas eu considero importante (e as cores vivas da capa continuam ao longo de toda a edição).

Página dos Créditos de "O Hobbit" em quadrinhos

Bom, diferente das outras edições que eu comentei, nem cabe falar sobre a quantidade de ilustrações aqui, mas só para não restar dúvidas: elas estão em absolutamente todas as páginas, incluindo a página de créditos e última página. Todas as ilustrações são coloridas, bem detalhadas e claramente trabalhadas com carinho.

Nada de caprichar apenas nas ilustrações maiores, “O Hobbit” está bem ilustrado do começo ao fim.

Interior de "O Hobbit" em quadrinhos

Mas como nem tudo pode ser perfeito, a versão em quadrinhos do Hobbit tem um problema um pouco incomodo: não tem capa dura. Isso significa que você tem que dobrar o cuidado para a capa não ficar amassada e/ou comida nos cantos e que se você for o tipo de pessoa que manuseia muito os seus livros, não vai demorar muito para a edição ficar com aquela cara de velha.

Esse sem dúvida é o maior defeito da edição. E vocês podem até dizer que isso iria aumentar o preço do produto, mas considerando que o preço de tabela é R$ 50,00 não acho que adicionar mais um pouco pela qualidade seria uma crime mortal.

Interior com o Smaug de "O Hobbit" em quadrinhos

Apesar de ser quase obvio, vale a pena reforçar: justamente por ser em quadrinhos a história é adaptada e não integral. O que significa dizer que se você não leu o Hoobit e quer ter uma experiência completa essa edição certamente não substitui o livro.

Sobre a qualidade da adaptação, fico devendo, mas quem sabe o Gustavo ou Thaís, que leram e me emprestaram a edição, possam dizer alguma coisa sobre o assunto.

O Gollum e o Bilbo em "O Hobbit" em quadrinhos

Avaliação:

Eu pensei com muito carinho na nota que devia dar para essa edição e resolvi atribuir 3 grifos.

Descontei um grifo pela falta da capa dura e o outro porque, na comparação, não posso dizer que seja melhor que o livro (que tem o texto integral) nem melhor do que a média dos “quadrinhos de luxo” (como a linda edição do 1602, por exemplo).

Para falar a verdade, embora eu tenha dito que é meio obvio, acho que eu teria dado 5 grifos se edição tivesse capa dura e o texto integral. Sei que talvez seja pedir demais, adaptar um texto integral para quadrinhos, mas o Robert Crumb fez isso com o Genesis da Biblia (que imagino ser uma tarefa muito mais difícil).

Enfim, o que quero dizer é: não levem o 3 grifos como uma coisa ruim, eu achei a edição realmente bela e tudo feito com bom gosto e qualidade, é só que eu achei que por o texto não ser integral nao da para comparar com o livro e para a média desse tipo de quadrinhos ele não é nada excepcional.




Categorias: Review: Edições
Tags: , , , , , ,

Dani Toste

Advogada, jogadora de RPG, viciada em internet, amante de de livros, séries, música e filmes. Acha que o Lewis Carrol é um gênio, é obcecada pelos livros da Alice que considera os melhores do mundo.