Palavra Jagunça: um pacote de bons ensaios

Escrito por: | em 22/11/2010 | Adicionar Comentário |

É, eu sei. Faz tempo que não cutuco o mundo das leituras rápidas com minha coluna ocasional. Mas vamos lá que vai ser indolor…

O Beijo de Lamourette: mídia cultura e revolução, do historiador americano Robert Darnton (com tradução de Denise Bottmann) é um bom livro sobre… bom cultura, sociedade, literatura, imprensa e revoluções. É dividido em 15 ensaios de tamanho variado, com um boa dose de variedade de abordagens. Publicado pela primeira vez em 1990, ele contém um conjunto de análises diversas sobre temas que vão da profissão do jornalista a história do livro e suas implicações. Brincando com uma linguagem razoavelmente acessível – ponto pelo qual o próprio Darnton luta – o texto dos ensaios varia também do tratamento e na forma, sem deixar de lado uma leve erudição, misturada a uma clareza de jornalista.

Sempre entendi a Revolução Francesa como algo mítico. Leituras diversas, como a do próprio Darton, me fizeram pensar em como, na prática, nossa própria capacidade moderna de fazer julgamentos, de postar em sites ou de criticar governos tem uma raiz mais do que profunda em 1789. Não é literatura, mas é o que sustenta muitas delas.A edição de bolso da Companhia das Letras (“Companhia de Bolso”) tem aquela qualidade considerável da linha e dá a sensação de se ler algo mais leve do que de fato é. Gosto de pensar que os ensaios do livro variam na profundidade na medida em que Darnton vai trocando os temas mais gerais por tópicos de seu próprio campo – a história. Apesar disso, o livro não chega a ser um material esotérico e pode, com alguma boa vontade de leitores curiosos, render ótimos questionamentos sobre a Revolução Francesa, sobre a mídia contemporânea ou sobre o próprio hábito moderno de contar histórias.

Enfim, leitura recomendada para todos aqueles que gostam de travar um diálogo com o passado e com as formas de pensar o mesmo.

O Beijo de Lamourette (São Paulo: Companhia das Letras, 2010, 400 páginas) custa 27,50 na Submarino. Encontrei exemplares de diversas edições na boa e velha Estante Virtual, mas não sei a diferença de preço compensa.

Curiosidade: a tradutora, Denise Bottman, tem um blog anti-plágio (cujo título direto é “Não Gosto de Plágio“) que achei interessante – e que inclui uma longa de lista de livros não recomendados!. Ah, e ainda tem o twitter da mesma (necessidades da mídia!).

P.S.: a imagem usada neste post é de autoria de Jeff Fisher e foi retirada do site da editora tão somente com intenções de resenha. Todos os direitos reservado ao autor.

Saudações jagunças.



Categorias: Diversos
Tags: , , , , , ,

Jagunço

Sociólogo, professor, blogueiro ocasional e amante de cinema pipoca. Acredita piamente que literatura é um troço extraordinário, uma das maiores formas de experiência humana, especialmente se você topa aprender algo com ela. Gosta de bom humor, enredos absurdos e de rir das marmotas da vida.

Adicione um comentário