Capítulo 16 – Devoradores de Mortos

Escrito por: | em 14/05/2011 | Adicionar Comentário |

O PODCAST:

Capítulo 16 - Devoradores de Mortos
Play
Play

Baixe a versão zipada: Download.

Nota: Este podcast contém Spoilers.

O LIVRO:

Título: Devoradores de Mortos

Autor: Michael Crichton

Supostamente baseado em fatos reais, “Devoradores de Mortos”, que deu origem ao filme “O 13º Guerreiro”, narra a jornada de Ahmad Ibn Fadlan, um árabe que é designado numa missão  ao norte, na qual acaba por encontrar os nórdicos Vikings que o forçam a seguir num grupo com mais 12 guerreiros para resgatar o reino do rei Rotgar contra a ameaça dos Wendol.

Ao longo da narrativa o autor descreve os costumes dos Vikings, suas crenças e sua cultura.

Edições utilizadas:

– Crichton, Michael. Devoradores de Mortos. Tradução: Gilson B. Soares. Porto Alegre: L± Rio de Janeiro: Rocco, 2008.

A EQUIPE:

Comentários por: Danielle Toste, Eric Torres, Juliana Morais, Gustavo Domingues.

Edição por: Gustavo Domingues

A AVALIAÇÃO:


AVALIAÇÃO Dani Eric Gustavo Juliana Média
Trama 3,00 5,00 5,00 5,00 4,50
Personagens 4,00 3,00 4,00 3,00 3,50
Escrita 4,00 4,00 5,00 4,00 4,25
Leitura 3,00 5,00 5,00 5,00 4,50
Média 3,50 4,25 4,75 4,25 4,00

AS REFERÊNCIAS:

Trilha Sonora: “HYBRIS” por “petite viking

PROXIMO EPISÓDIO:

O Capítulo 17 será sobre o livro: “A Guerra dos Tronos” de George R.R. Martin.

Comentários, dúvidas, sugestões: contato [arroba] grifonosso.com



Categorias: Podcast
Tags: , ,

Dani Toste

Advogada, jogadora de RPG, viciada em internet, amante de de livros, séries, música e filmes. Acha que o Lewis Carrol é um gênio, é obcecada pelos livros da Alice que considera os melhores do mundo.

22 Comentários sobre Capítulo 16 – Devoradores de Mortos

  1. Raphael Piltz

    Eu não li este livro, então o que se pode ser questionado sobre o podcast seria:
    Este livro me agradaria?
    Sim, muito.
    Se sim, você leria este livro e chegaria ao ponto de adquiri-lo?
    Obvio.
    O podcast serviu para você para o que?
    Adoro livros, os coleciono. Saber mais sobre eles e seu autores me fascina, não tenho medo algum de spoiler sei que um dia vou morrer, quer spoiler maior que esse?
    Admiro vocês e o que fazem, espero que continuem assim o tempo lapidara as arestas desse diamante.
    Uma pergunta para vocês.
    Qual é o objetivo do site e podcast?
    Uma sugestão.
    Série Coração de Tinta.

  2. cutia

    olá pessoal…
    acabei de escutar o podcast.
    venho mais para dar uma a sugestão.
    acho que o podcast mudou um pouco do que era.
    bom, digo isso apenas por mim. no inicio voces comentavam o livro e, tipo, quebravam a barreira do imaginario com a da realidade. comentavam como se aquilo fosse verdade.

    nem todos os episódios são assim, e a resposta fica bem clara para mim, como ficou nesse. o host não foi a pessoa que mais gostou do livro. como a Dani disse, este nao é o tipo de literatura que agrade a ela, mas é um livro bom.

    sugiro a vocês mudarem o host, de acordo com o livro. Isso já ocorreu uma vez, nao me lembro quando, quando o Gustavo nos guiou na história, o que, acho, que seria uma boa ter ocorrido desta vez. Pois é mais facil ser atingido pela idéia do livro, por quem já foi.

    é isso… oha lá, gosto pacas de vocês!!!

  3. Dani Toste

    Cutia,

    Concordo mais ou menos com você.

    Acho que é mais complicado para mim fazer a pauta de um livro que eu não gostei muito, mas não sei é apenas por isso que alguns podcasts ficam menos empolgantes que outros.

    O livro que o Gustavo ficou de ancora foi o “Azincourt”.

    Eu não sei se eu sou muito dominadora, mas acho que independente de quem está guiando a história, o resto do pessoal sempre tem liberdade para entrar no meio e “tomar conta”, mas acho que nem todo livro deixa espaço para isso.

    Mas só para me ajudar a refletir sobre o assunto, quando você diz: “o podcast mudou”, a partir de quando? a mudança foi constante ou em alguns episódios? quais episódios vc acha que ficaram mais “perdidos”?

    Seria legal se você desse referencias de coisas que vc acha que dão certo e que dão errado…

    Enfim… não sei se conseguiremos fazer muita coisa a respeito, porque na verdade a gravação é meio espontanea, então é meio difícil planejar o que vai sair, mas tendo idéias mais claras prometo pensar bastante e ver o que podemos fazer para melhorar.

    Abraços

  4. Andre V.H

    Tenho medo da neblina quando vou pra Paranapiacaba!!

  5. Andre V.H

    Sobre a conversa acima. Não acho que o Podcast tenha “mudado”. Claro que houve evolução, vocês estão mais afinados e cometem menos erros corriqueiros como falar ao mesmo tempo e esses detalhes mas no que se refere à proposta e execução ainda vejo o mesmo Podcast do Capítulo 1.

    Claro que vocês ainda estão no começo mas estão evoluindo num bom ritmo. #PuxaSaco

  6. cutia

    Realmente, quem foi para paranapiacaba sabe como a neblina pode ser assustadora. ela traga uma cidade inteira… ou bairro… sei lá. kkk

  7. cutia

    Dani, a unica coisa é isso mesmo.
    achei a experiência com Azincourt bacana.

    e se teve um ponto, em que notei, foi ai.
    Tbm acho que a melhor coisa do podcast é o papo formal.

    é isso, ai…

  8. Antonio de Souza

    Eu confesso que jamais ouvi falar deste livro… mas do aludido filme, em contrapartida, gosto em demasia!

    Gosto muito de livros que trazem referências relacionadas à cultura e modo de vida de sociedades antigas. Além disso, narrativas em primeira pessoa parecem-me mais saborosas e essa relação estranha entre a realidade dos fatos e a ficção à qual vcs se referem são um elemento que, na minha opinião, apenas acrescenta à trama.

    O papo da neblina é muuuuuito legal! Eu me lembro bem daquela parte no filme e sempre achei bastante interessante o garoto ficar parado para que os outros tivessem certeza que ele era real.

    Enfim, sou fã do Cast, adoro a forma como vcs falam a respeito dos livros, sem pedantismo e afetação, sem falar que a escolha dos títulos é, na maioria das vezes, acertada. Espero que o Grifo Nossa tenha uma vida longa e próspera!

    Abrçs!

    P.S.: A referência a Star Trek foi inevitável, apesar de eu DETESTAR a série.

  9. Bruno Castilho

    Finalmente posso comentar no cast mais atual , depois de ter terminado a maratona de ouvir todos os episódios.

    Gosto muito do cast, mesmo quando falam sobre livros que não despertam a minha atenção, como o brumas de avalon ou Alice.

    O que eu quero dizer na mensagem é que vcs nao devem se prender tanto a falta de comentários nos podcasts.
    O número de comentários não deve ser para vocês a medida do sucesso do podcast, já que não são todas as pessoas que sentem a urgência de expressar a opinião, como quem realiza o podcast.
    O ato de escutar uma conversa entre desconhecidos dentro da sua cabeça em um fone de ouvido não é para todos… existe um certo tipo de pessoa que é agradada por esse tipo de entretenimento.
    Na minha opinião é por isso que temos tantos podcasts sobre assuntos nerds, como jogos , filmes , quadrinhos, literatura, tv e tão poucos sobre assuntos não nerds como esportes, por exemplo.
    Do meu ponto de vista, isso acontece porque as pessoas que tem essa predisposição para ouvir um podcast são na maior parte das vezes as mesmas que se interessam por esses assuntos que “exigem” mais reclusão.

    Existem muitas dessas pessoas que como eu gostam muito do trabalho de voces, mas é gordo e preguiçoso para fazer comentários.

    Para terminar esse comentário gigante, uma sugestão.
    Adicionem casts sobre biografias na lista de casts que estão fazendo. Poderia ser tanto sobre uma biografia dos autores (Como uma das biografias do Lewis Carrol que citaram no podcast de Alice) ou biografias em geral.

    Como sei que o gustavo gosta de boxe, sugiro que façam sobre o livro Homem Cinderela do Jeremy Schaap.
    É um livro incrível sobre todo o perído do final da era de ouro do boxe, focando nas vidas de uma das maiores reviravoltas da história do boxem, a luta entre Max Baer e James J Braddock

    Aguardo ansiosamente o cast de guerra dos tronos

    abraços a todos

  10. Edmilson

    Eu demoooro para voltar e pouco tenho comentado, gosto das suas leituras e interpretações dos livros. Assim como vocês eu tenho a monografia para terminar(tenho 7 dias para as ultimas 12 paginas+apresentação) e ouvir os livros, em resumo, me ajuda bastante à escolher futuras leituras. Obrigado por mais um cast interessante

  11. Kako Ramone

    Muito bom o podcast, eu ainda não li ele mais fiquei com muita vontade.
    Continuem com o trabalho fod* de vocês.

  12. Rafael Jacauna

    Prazer em mais um tempo em vossas companhias.
    Gostei muito do livro e provavelmente será mais 1 dos que comprarei por “incentivo” do podcast Grifo Nosso.
    O filme, admito que vi a muito tempo, não me atraiu muito mesmo venerando tudo que envolve guerra e conflitos. Mas bateu aquela vontade de rever.
    O livro é certo em meu repertorio de livros, mas os trabalhos da pós sugam todo o tempo que disponho no momento, não tenho condição de ler estas 600 paginas “zipadas”.
    Um grande abraço a todos vocês…
    Gostaria que vocês evitassem ler “lançamentos” ou livros do momento. Sei que Guerra dos tronos não é novo, mas chegou forte ao Brasil este ano, e por estar muito ocupado com livros acadêmicos, de história Moderna (leituras gigantes), não lerei Guerra dos Tronos tão cedo.
    Dando voltas para dizer, não façam isto, lembrem vocês são um programa basicamente de Spoiler’s e se não derem chance para todos lerem os temas vão chatear muita gente e até perder um pouco de audiência. Mas claro, deixar famintos leitores felizes, mas chateando muitos outros ouvintes.
    Eu particularmente não me importo, já sei como termina o 1º livro e mesmo assim ainda quero ler. Contudo, fica chato quando vocês lêem os lançamentos.
    Novamente 1 forte abraço e Boa leitura.

  13. Jagunço

    Uma baita história em um livro… chatinho. Curto e unidimensional, não conseguiu me conquistar não. E não concordo com Cutia no formato mais divertido do cast. Acho até que o resumão da história em si pode, cada vez mais, ser mesclado com os comentários. Aliás, eu queria muito ver as conversas sobre personagens, trama, leitura, etc, desde o começo do papo, assim, em tópicos. Com direito a todas as marmotas de vocês…kkkkkk… Mas é só um palpite.
    (Essa foi a vez da Dani se vingar dos maltratos em episódios anteriores! Avacalhou as partes mais sérias do enredo com estilo! Eu ri aqui…). :D

    Abraços, amigos. :)

  14. Alvaro

    Eu não li o livro mas estou realmente pensando em lê-lo agora, quanto ao Guerra dos Tronos:
    1 – Vocês são doidos de fazer um podcast sobre este livro que é enorme, e
    2 – este livro é viciante, eu terminei depois de uma semana e meia e tive duas semanas de tortura até ceder a vontade de começar a ler o segundo livro.
    obs.:O podcast de vocês está atualmente em quarto na minha lista logo após o Papo de Gordo, Nerdrops e Monacast. e eu espero que continue com o excelente trabalho. Obrigado e tchau.

  15. Sérgio Rodrigues

    O próximo episódio diz ser “O Restaurante no Fim do Universo”, mas era para ser “Guerra dos Tronos”. Vocês vão mudar a ordem?

  16. Gustavo Domingues

    Sérgio: O Guerra dos Tronos já está gravado e será publicado em breve, O Restaurante no Fim do Universo será o episódio após.

  17. Viviani

    Não li esse livro e me envergonho em dizer que nunca tinha ouvido falar dele; mas, segundo o podcast, não seria uma obra que me agradaria muito, ainda mais por ser um relato histórico suspostamente baseado em fatos reais que foram contados pelos manuscritos do Fadlam.

    Não que eu não goste de livros históricos, longe de mim! Várias das minhas séries preferidas são romances históricos. É que a história do livro me lembrou MUITO do livro “Eurico, o Presbítero”, escrito por um historiador mais interessado em contar sobre a conquista árabe da Península Ibérica do que desenvolver os personagens e contar a história em cima deles. Sério, assim que acabei de lê-lo, tive vontade de jogar o livro na parede umas dez vezes, coisa que nunca faço (fui obrigada a lê-lo por causa da faculdade).

    Estava com muitas saudades do podcast! Agora estou colocando os episódios em dia no meu caminho para e da faculdade. Acho que só falta um episódio para terminar de escutar tudo. Senti muita falta de todos vocês! Tão bom encontrar um podcast sobre livros feito por pessoas superbacanas que, como eu, “compram livros a rodo”. Hahahahahaha

    Outro livro que eu não leria seria “O Iluminado”. Sou MUITO medrosa em relação a algumas coisas, e só o enredo já me apavorou. Falo isso por já ter lido coisas de terror e ter ficado dias com medo de descer da cama (tinha lido o livro Vacations from Hell, e o conto que fala sobre o Terror é o mais assustador ali e o que me deixou tão impressionada).

    Uma pena que o próximo episódio será sobre o GdT. Quero muito ler os livros, então não vou poder escutar o podcast para não pegar spoilers. E com a faculdade está cada vez mais difícil eu ler algo que goste. Minhas leituras estão todas atrasadas, mas espero compensar um pouco disso nas férias.

    Excelente trabalho, pessoal!
    Mil beijos,
    Vivi

    P.S.: Se o comentário ficou meio vago, me desculpem, mas estou dormindo de 3h-4h por dia por causa da faculdade e do estágio, então ultimamente minhas ideias andam embaralhadas. >.<

    P.P.S.: Uma graça o Gustavo cantando no capítulo sobre A Revolução dos Bichos! Adoreeei!

  18. Neto

    vixiiiiiii se o filme já e bom imagine o livro :D

  19. Pingback: Grifo nosso « TODOS OS CASTS

  20. Luiz Filipi Baraun

    Noossa, esses comentários estão um pouco parados mas tive que vir aqui quase dois anos depois da gravação deste episódio dar uma pequena contribuição.

    Assisti o filme “O 13o guerreiro” e sempre tive vontade de ler o livro, mas a falta de acesso a ele e a crescente fila de prioridades literárias nunca me permitiram realizar a leitura. No final de 2012 ganhei de presente um Kindle e um dos primeiros livros que vi disponível na amazon brasileira foi o “Devoradores de Mortos”, acabei comprando de imediato (até porque sou grande fã do Michael Crichton.

    A leitura decorreu rapidamente (o livro é bem pequeno) e o li em uma tarde. Gostei bastante da história, que correspondeu às minhas expectativas, sendo mais amarrada e redonda que a do filme.

    Senti falta de algumas informações no podcast. Cito como exemplo o fato do livro ser o resultado de uma conversa do Crichton com um amigo. Ambos conversavam sobre a “chatice” da saga “Beowulf” e Crichton defendia a tese de que se contada de uma outra forma, resultaria em uma boa história. Surgiu daí o livro. Além disso, Crichton teve como intenção escrever uma história que seria o plano histórico que daria origem a mítica saga. Dessa forma podemos encontrar no texto elementos que remetem diretamente ao mito anglo-saxão. O nome personagem Buliwyf (lê-se “Buliuífi”) é uma corruptela de “Beowulf” e também o a forma antiga do nome do herói nórdico. O rei Hrothgar teve seu nome preservado e observa-se também a semelhança entre nomes como Wendol-Grendel. Não é sem razão que vocês, ainda sem saber o motivo, relacionaram passagens do livro com a história de Beowulf (como o exemplo do braço pendurado no topo do salão).

    Concordo que a tradução utilizada pela editora Rocco é fraquíssima (dragão pirilampo?!) Horrível escolha, que tornou a leitura desconfortável em alguns momentos. Acredito que tenha sido adaptada da tradução ibérica pois possui alguns exemplos de palavras usadas em Portugal (vestíbulo por exemplo, palavra usada para denominar uma sala comunal ou cômodo de entrada).

    Lembro que o que me chamou a atenção para o filme foi a sinopse (que li em meados de 2005) que resumidamente dizia que “o guerreiro árabe Ibn Fadlan ajudava os nórdicos a enfrentar uma ameaça Neanderthal”. Tal informação jamais é citada no filme, mas fiquei satisfeito com o apêndice do livro que explicava brevemente essa possibilidade. Achei o plot bastante interessante.

    É interessante notar que a escrita do Crichton se encaixa perfeitamente ao relato de Ibn Fadlan. Quem já leu outros livros do autor percebe como ele mudou a forma de contar a história para dar maior realismo e tom de escrita de um cronista, isso as vezes faz com que a escrita fique arrastada e até sem sentido, tendo parágrafos terminados repentinamente e raciocínios interrompidos, tudo de forma proposital. O engraçado é que em uma rápida pesquisa pela internet é possível encontrar muita gente que acredita que o livro todo é a tradução do manuscrito original. Algo semelhante ao que acontece com “O diário secreto de Laura Palmer”.

    Bom, vocês estão de parabéns pelo excelente podcast, eternizado na internet que me possibilitou descobri-los em uma pesquisa a respeito do livro. Não costumo dedicar tempo a fazer comentários desse tipo, mas vocês me motivaram! Parabéns e espero que vocês dêem continuidade ao excelente trabalho!

  21. michel adriano medeiros

    Muito bom. Só que as vezes todo mundo fala junto aí fica difícil entender.

  22. Pingback: CabulosoCast #53 - Beowulf | Leitor Cabuloso

Adicione um comentário