Capítulo 17 – A Guerra dos Tronos – Parte 1

Escrito por: | em 17/06/2011 | Adicionar Comentário |

O PODCAST:

Inicialmente: Devido ao tamanho do livro e, conseqüentemente, do podcast, dividimos este episódio em duas partes, seqüenciadas. Eu publicaria ambos os áudios no mesmo post, mas para evitar problemas para quem acompanha o podcast por feeds, achei melhor fazer um post separado para cada parte.

Capa do Capítulo 17 sobre “A Guerra dos Tronos”

Play

Play

Baixe a versão zipada: Download.

Nota: Este podcast contém Spoilers.

Segunda Parte deste podcast: Capítulo 17 – A Guerra dos Tronos – Parte 2.

O LIVRO:

Capa do Livro "A Guerra dos Tronos" de George R.R. Martin

Título: Crônicas de Gelo e Fogo: A Guerra dos Tronos

Autor: George R.R. Martin

“A Guerra dos Tronos” não é a história de um personagem ou de uma campanha, mas a narração a história de um reino, e dos muitos personagens que fazem parte da construção dessa história.

Um livro difícil de descrever em poucas palavras, composto de muitos pontos de vista, cheio de intrigas e mistérios, que já resenhado aqui no Grifo Nosso.

Edições utilizadas:

– Martin, George R. R., A Guerra dos Tronos. Tradutor: Jorge Candeias. São Paulo: Leya, 2010.

A EQUIPE:

Comentários por: Danielle Toste, Eric Torres, Juliana Morais, Gustavo Domingues.

Edição por: Gustavo Domingues

Comentários em Audio:

Daniel Anand, do Rolando20;

Renan MacSan, do Grifo Nosso;

Jagunço, do Grifo Nosso.

OBS: Peço desculpas ao Cutia, que também havia nos enviado um comentário em audio, mas devido a problemas técnicos não conseguimos juntar o audio com o podcast na edição.

A AVALIAÇÃO:

AVALIAÇÃO Dani Eric Gustavo Juliana Média
Trama 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00
Personagens 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00
Escrita 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00
Leitura 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00
Média 5,00 5,00 5,00 5,00 5,00

AS REFERÊNCIAS

Trilha Sonora:

# Game of Thrones Intro – Composição: Ramin Djawadi – Versão: Roger Lima.
# Dream is Collapsing – Composição: Hans Zimmer – Versão: Roger Lima.
# War of Thrones – Album: At the Edge of Time – Artista: Blind Guardian. Composição e Letra: Hansi Kürsch e André Olbrich
# Voice In The Dark – Album: At the Edge of Time – Artista: Blind Guardian. Composição e Letra: Hansi Kürsch e André Olbrich

A utilização da trilha sonora deste episódio foi devidamente autorizada por seus interpretes.

Capa do Podcast:

A imagem da capa do podcast foi tirada da imagem de divulgação da série “Game of Thrones” da HBO

PROXIMO EPISÓDIO

O Capítulo 18 será sobre o livro: “O Restaurante no fim do Universo” de Douglas Adams.

Comentários, dúvidas, sugestões: contato [arroba] grifonosso.com




Categorias: Podcast
Tags: , , , , ,

Dani Toste

Advogada, jogadora de RPG, viciada em internet, amante de de livros, séries, música e filmes. Acha que o Lewis Carrol é um gênio, é obcecada pelos livros da Alice que considera os melhores do mundo.

33 Comentários sobre Capítulo 17 – A Guerra dos Tronos – Parte 1

  1. Pingback: Grifo Nosso » Capítulo 17 – A Guerra dos Tronos – Parte 1 | iComentários

  2. Pingback: Grifo Nosso » Capítulo 17 – A Guerra dos Tronos – Parte 2

  3. Thiago Spegiorin

    Boa!
    Ótima escolha de livro e um podcast bem feito como os outros. Parabéns!

  4. Rafael Jacauna

    Nossa, nota maxima de todos vocês.

    Pena que não lerei este livro este ano e talvez nem ano que vem hauhauhauhauah.

    Deixa ouvir o podcast que já é suficiente por agora.

    Ps: vi o 1º ep do seriado e não achei grande coisa. Detalhes excelentes, mas nada que qualquer história francesa da renascença não tenha.

  5. Tatiana Haruhi

    Oi, depois de ouvir todos os episódios e me divertir resolvi comentar para agradecer o empenho num programa bem interessante. Sobre o Livro, na verdade o Meistre Aemon poderia ter sido rei mesmo depois de ser juramentado irmão negro, pois o alto septão ofereceu o perdão a ele. Para que assumisse no lugar de seu irmão que viria a ser então depois o “rei louco”.

  6. Wagner

    Ótima escolha, “A Guerra dos Tronos” é fantástico e vocês conseguiram abordar todos os aspectos importantes(que são muitos)do livro de forma concisa e divertida.

    Espero que tenha um podcast de “A Fúria dos Reis” futuramente.

  7. @RaphaelPiltz

    Muito obrigado pela menção do podcast ^^
    Casamento grupal é um pouco estranho hehehe, vou fazer um comentário maior na segunda parte.

  8. Thaís Priolli

    Para mim a melhor parte foi do lobo desgrenhando.

  9. Cris Drovas

    Bela edição, embora loooooooooooonga demais (eu sei que não tinha outro modo de abordar um livro desses mas vale a crítica)

    E por mais que seja um tanto “tolo”, o Ned e seus dois filhos (a Arya e o Jon) são meus personagens favoritos do primeiro livro.

  10. Cris Drovas

    Ps: por volta dos 28/29 min, o áudio enviado fica por cima da fala do gustavo por alguns segundos.

    Fica o alerta.

    No mais, aguardo o próximo cast e “Obrigado pelos peixes”

  11. Andre V.H.

    Não vou poder ouvir este cast agora. Ainda vou ler o livro e assistir a série então estou fugindo de spoilers =/

  12. Edmilson

    Ai ai e demoro mas volto! vi a Série na tv, ja ouvi um nerdcast sobre o tema mas acho que vocês falarão melhor sobre o mesmo. ouvirei agora!

  13. Lorde Worth

    Ótimo podcast. A Guerra dos tronos devorou uma semana de minha vida e A Fúria dos Reis mais duas, mas ao folhear em minha mente as lembranças mais nítidas sobre a obra, sempre deparo-me com sequencias frenéticas de cenas de PUTARIA e GUERRA. Sem dúvida é o livro mais fútil e envolvente que já li. A única reflexão que tive acerca da série até o presente momento foi sobre a existência ou não de RAMEIRAS VIRGENS. hm… E garanto que após esse livro, tudo que for lido até 3 semanas depois parecerá lento e irritante.

  14. Pingback: As Crônicas de Gelo e Fogo Vol.1 – A Guerra dos Tronos « Livros de Fantasia

  15. Guxta

    Bom, antes de mais nada queria dizer que ainda não ouvi o capítulo (estou um pouco atrasado pq descobri vcs há pouco tempo). Mas como li o livro gostaria de deixar a minha opinião.

    De início já digo que não concordo de forma alguma com a nota absurda que vcs deram. Todos nota máxima? A trama e as personagens são realmente merecedoras de 5, mas a escrita e a leitura nem tanto. Na minha opinião a leitura é um pouco travada, o que me faz dar 4, e a escrita de Martin, principalmente nas batalhas, é fraquíssima. Eu daria 3.5 sem pensar duas vezes. Uma média 4 seria suficiente.

    Acredito que a mídia contribuiu para que a série fosse tão aclamada. É aquele negócio da ilusão. Não desmereço o que vcs acharam, afinal, se vcs gostaram é o que importa.

    Estou ouvindo atualmente o capítulo onde vcs comentam O Iluminado, esse sim um excelente livro.

    Vcs poderiam comentar A Torre Negra, série que comecei a ler agora e não estou muito incentivado a continuar – terminei O Pistoleiro hoje. Tenho muita curisidade em saber o que vcs acharam, até pq não encontrei nenhum podcast que falasse sobre os livros.

    desculpem-me pela discordância, mas acontece. Continuem firmes pq adoro esse papo de vcs!

    ;)

    • Dani Toste

      Guxta, acho que esse é um dos pontos nos quais eu concordo com o Gustavo, acho que o Martin mereceu o 5 sim.

      Quando vc ouvir o podcast verá que a minha nota para leitura teve ressalvas, mas no fim eu tentei pesar a nota a partir de uma perspectiva geral: sim o livro é longo e isso às vezes poderia ser cansativo, mas o autor compensa isso muito bem criando uma ansiedade para chegar na sequencia do capítulo, ou para voltar logo ao seu personagem favorito e isso para mim acaba gerando mérito tanto na escrita quanto na leitura porque esse mecanismo funciona tornando um livro gigante muito mais fácil e rápido de ler do que se poderia esperar.

      Quanto à mídia, acho até que ela pode ser um problema. Os capítulos que mais demorei foram os primeiros: parte porque todo começo de leitura é mais lento, parte porque eu sabia o que ia acontecer. Quando ultrapassei a série acho que as coisas ficaram ainda melhores para mim.

      Quanto ao Stephen King, admito que não me sinto muito tentada a ler a série Torre Negra, além de ser uma série gigante, não tenho muitas recomendações boas dos livros finais e não sou particularmente fã do estilo do autor. Acho que vale a pena ficar nos livros curtos dele.

  16. Gustavo Domingues

    Guxta:

    Minha opinião foi totalmente alheia à série televisiva e opinião da mídia em geral, pouco me importo com críticos, só os uso quando quero ratificar algo em que concordam comigo.

    Acredito que a leitura de Martin passa longe de ser travada, pois a trama se retro alimenta, esganando o leitor para que ele continue, sem apelar para o suspense barato nem a inverossimilhança.

    Quando se lê muito sobre batalhas (como é o meu caso), você percebe que elas podem ficar em segundo plano. Leio muito Bernard Cornwell e Conn Iggulden, mestres quando se trata de narrativa de guerra, e te digo, batalhas enjoam.

    Martin tinha uma história de intriga com influência de Walter Scott, Cervantes, Lovecraft e, principalmente, Shakespeare que levou(no primeiro livro) 600 páginas para ser contada. Não há espaço para batalhas, só para seus resultados. Eu gosto de batalhas, mas gosto mais ainda de livros maravilhosamente escritos. Acredito que, assim como no caso das obras de Shakespeare, as batalhas poderiam ter sido simplesmente puladas.

    Sabe porque novelas fazem sucesso? Imersão. Martin é um mestre nisso, Tolkien não(Tolkien é um mestre em criação). O livro permite envolver-se com um grupo variado de personagens e com seu crescimento, suas aflições e suas intrigas intermináveis e esmiuçar sua psicologia à exaustão. Não faltam personagens sofredores e indefesos para se sentir compaixão, bem como malvadas e malvados, cínicos e arrogantes, para odiar com todas as forças, ou não. E o melhor de tudo, o próximo livro sempre vira a história de ponta-cabeça.

    A escrita sofreu muito com a tradução. Adequada ao público Português, mas confusa para o Brasileiro.

    Quanto ao Iluminado: É um bom livro, o melhor de Stephen King. Eu já li quinze livros dele, e o Iluminado é o melhor, sem ser maravilhoso. Joe Hill(filho de Stephen King) é melhor do que o pai.

    A série Torre Negra têm sete livros, um maior do que o outro, e ela começa bem… mas o fim… é muito… Stephen King.

    • Guxta

      Demorei para voltar, mas voltei. Acho que agora com tempo suficiente.

      Pois bem, entendo a visão colocada por vocês. No que diz respeito às personagens e a trama que as envolve, concordo plenamente. Mas ainda discordo quanto ao estilo de escrita (o que, consequentemente, fez minha leitura travar). Travar no sentido de preguiça de ler determinado capítulo, ou de ver que faltava tanta coisa e tudo parecia ainda mordo, ou quando já agitado, amornando.

      Tb sou um leitor assíduo de Cornwell e, por mais que ele seja um mestre das batalhas, consegue fazer sua trama ser maior que elas (sou um amante de Sharpe). Da mesma forma, sou um ídolo de Lovecraft e, devido ao seu tempo e seu estilo, me coloco no clima e viajo em seus livros.

      O que eu quis dizer no meu comentário anterior não é que deveria ter mais batalhas, mas sim que as passagens que as possuíam não ficaram boas.

      Um outro problema que aconteceu comigo foi que, por mais que suas personagens sejam bem escritas, muitas ficam menos favoráveis ao gosto. E eu não digo isso com relação a odiar uma personagem pelo que ela faz ou deixa de fazer, mas simplesmente por não ser tão interessante quanto outras. O próprio Martin é seletivo. Tenho certeza que 90% dos leitores quiseram passar correndo por determinados capítulos. Isso me desanimou para a leitura dos demais volumes, juntamente com a informação que neles existem mais batalhas. Aqui comprovamos que eu não tenho muito interesse nas batalhas, pois preferiria sequências sem ou com o mínimo possível delas. Tenho o segundo (comprei junto com o primeiro) e ainda não tive coragem de começar a lê-lo.

      Não acho um livro ruim. Longe disso. Só acho que existem opções melhores na minha estante. Exemplo: Gaiman, Asimov, K. Dick e alguns Kg de graphic novels.

      Fico feliz em saber que vc não levou em conta a crítica ou a propaganda gerada em cima do livro. Tenho um amigo que, assim como vc, adorou a saga e rasga elogios sem ter dado a mínima para o que dizem. Mas vc tb deve saber que muitas pessoas leem (ou não leem), não acham tão bom e embarcam na modinha do “que obra prima!!!”. Pode não ser o caso de A Guerra dos Tronos, mas que ajuda, ajuda. Esses sim me incomodam.

      Terminei de ouvir o programa e concordo com muita coisa falada por vcs. E espero que vcs não tenham se chateado com o meu comentário, que por natureza já foi ranzinza. Quando vcs não gostam de um livro que queriam ter gostado devem ficar assim tb, certo? Sempre colocando uma vírgula quando alguém fala muito bem. Afinal, sou fã de Tolkien e, por mais que suas obras sejam únicas, eu gostaria de continuar lendo algo a altura. Achei que encontraria isso em As Crônicas de Gelo e Fogo.

      Já que não rola A Torre Negra, que tal falarem a respeito de O Exorcista? É um dos meus livros favoritos e, se é que já não leram, acredito que o achariam no mínimo pertinente. Tb falta um livro do Gaiman para a pauta. Mas eu vou parar de ser pidão, ok? hehehe…

      Vou pôr as edições que ainda não ouvi em dia (os três últimoas).

      Abraço a todos.

  17. Melissa

    Agora to ouvindo podcasts aqui do Grifo enquanto faço exercícios físicos. Eles (os exercícios rs) ficam mais suportáveis assim.

    Ow, gostei muito dessa primeira parte e ri horrores! Realmente é difícil focar num livro onde tanta coisa acontece. Mas achei a análise bem pertinente.

    Eu concordo com a Dani, apesar de o livro ser bem longo e ter um começo meio travado, o resto compensa porque a leitura embala e fica mais fluida.

  18. Munir

    Nota mais que merecida! Amei esse livro, foi inacreditável!! Parabéns por mais um ótimo podcast! Não vejo a hora de ver o próximo capítulo!

  19. Pablo

    Cheguei ao podcast de vocês vindo da recomendação do Papo na Estante e esse foi o primeiro que escutei.

    Minhas criticas construtivas:

    Vocês soltam spoilers dos outros livros mais de uma vez, que ainda não li. Só de mencionar o que deve acontecer, por ex, o personagem X vai procurar o local Y já é spoiler e isso de desagradou muito.

    Também não curti a forma como conduziram o podcast, excesso de risada, não conseguindo fazer andar o cast. Não pretendo ouvir a segunda parte de Guerra dos Tronos, mas sim, pretendo ouvir de outros livros que li.

    Desculpe qualquer coisa.

    • Dani Toste

      Pablo,

      Sobre Spoilers, a idéia é que os spoilers se limitem ao livro em questão, mas as vezes acontece de soltar algo sem querer mesmo (o Gustavo é o rei dos spoilers, as vezes eu preciso beliscar ele um pouco para ele ficar quieto).

      Na verdade, esses spoilers involuntários fazem parte do estilo do podcast, é uma conversa e as vezes no meio do assunto alguém acaba soltando algo para completar a idéia. Eu odeio spoilers, mas nesse caso específico não houve nada que me incomodou.

      Sobre a forma de condução do podcast, lamento dizer, mas é uma das coisas que não vamos mudar. Veja bem: existem vários estilos de podcast, os mais organizados, os mais sérios, os mais bagunçados, os mais engraçados, etc., e existe público para cada estilo, pessoas que não suportam podcasts sérios e pessoas que não suportam podcasts bagunçados, não dá para agradar a todos, mas nós fazemos o que gostamos de fazer e o que nos propusemos a fazer quando começamos o cast: conversar sobre livros.

      De certa forma, o que eu propus para o pessoal quando convidei para fazermos o podcast foi criar algo a partir daquilo que já acontecia naturalmente na faculdade (e acredite ou não, fora do podcast nossas conversas conseguem ser ainda mais caóticas). Nosso estilo é sim muito diferente do Papo na Estante (ou do Mitografias), que são muito mais organizados e bem mais sérios (e que eu particularmente também gosto), mas devo avisá-lo que dentre as modificações que podemos fazer em decorrência das criticas dos ouvintes, essa não é uma delas, o formato de “bate-papo” do podcast é parte do que nós somos e sim, às vezes rimos demais, e às vezes da um trabalho manter o foco e eu me mato para fazer o podcast andar, mas o podcast é assim, faz parte do que nós (Gustavo, Ju, Eric e eu) somos e consequentemente faz parte do que é o Grifo Nosso.

  20. Pablo

    Dani,
    nenhum problema da forma como vocês fazem podcast, só achei excessiva as risadas, que travavam a narrativa em algumas partes e não fazia o cast andar. Eu ouço casts sérios e cômicos, e gostei do estilo de vocês, enfim, espero que tenha entendido que a minha crítica foi construtiva.

    Sobre os spoilers, eu não tenho problema nenhum em ouvi-los, contanto que eu já tenha lido o livro/visto o filme/série ou realmente não queira saber o que irá acontecer de algo que eu ainda não li/assisti e seguir por minha conta e risco.

    No entanto, vocês avisaram que teriam spoilers APENAS do primeiro livro. E, me desculpe, não foi isso que aconteceu. O rapaz ai contar algo do proximo livro, mesmo que seja um personagem/local que apareça, qualquer coisa, já é spoiler, e isso é um desrespeito enorme a todos os ouvintes.

    • Dani Toste

      Pablo, entendi a crítica, mas minha resposta foi justamente para te esclarecer que isso faz parte do nosso estilo: tem episódios que rimos mais, tem outros que rimos menos, não da para evitar, faz parte da naturalidade das gravações, acredite ou não muitas coisas já são cortadas na edição para manter o máximo de foco possível, mas mais do que fazemos é impossível sem mudar completamente o nosso estilo.

      Sobre os spoilers, eu poderia te responder como advogada e dizer que nós avisamos “este podcast contém spoilers” mas nunca especificamos a respeito de qual livro seria. Mas não é bem esse o caso. Honestamente, eu odeio spoilers e não cheguei a ficar incomodada com nada que o Gustavo tenha dito.

      Além disso, acho que definir exatamente o que é spoiler é um pouco complexo, se eu disser que em “O Mágico de Oz” a Dorothy é mandada por um furacão para uma terra mágica e procura o Mágico para voltar para casa, encontrando no caminho um espantalho sem cerebro, um homem de lata sem coração e um leão medroso” isso é spoiler? Para mim, menções superficiais à história não são spoilers, sobretudo se não estragam a trama. Mas, se você acha que qualquer informação, por mais irrelevante que seja, é spoiler, então vai ser dificil acessar qualquer conteudo sobre um livro sem spoilers. Aliás… a própria série da HBO, que é sobre o primeiro livro, dá algumas informações sobre o segundo.

      O que quero dizer com tudo isso é: em geral nos limitamos ao conteúdo do livro analisado, mas no caso de séries, eventualmente acabamos fazendo uma menção superficial ao conteúdo dos outros livros (e já advirto que isso possivelmente ocorre em todos os podcasts sobre séries). Não acho que sejam spoilers, se fossem, acho que estariam incluidos no aviso de “esse podcast contém spoilers”, mas, por via das dúvidas, vou acrescentar uma observação nos avisos dos próximos podcasts de séries para as pessoas não se confundirem.

  21. Fabio Oliveira

    Olá a todos.
    Estou lendo o livro e adorando. Já assisti a série e a fidelidade mostrada nas telas só me deixa mais ansioso para assistir a 2 temporada (ainda bem que logo mais já estarei devorando o livro 2).

    Quanto ao podcast em si, conheci o site apenas hoje e, sendo o primeiro que ouço acho que há alguns momentos onde as piadinhas de duplo sentido prevalecem…sendo quase que esquecido o livro discutido. Mas é só minha opinião. Ouvirei outros e construirei melhor uma ideia. Se adendos assim forem habituais, simplesmente não ouvirei mais.

    Muito obrigado.

  22. Thamiris Lima

    Cara, vcs são muito sacanas! Só saiu safadeza e piadinha de duplo sentido nisso SHUhsUAHushUauhSuha… Mas tbm não posso falar nada, eu pensei a mesma coisa enquanto lia cada parte que vcs comentaram. xD

  23. Edkallenn

    Caros,

    Sempre li (e ouvi) o grifo nosso (nem lembro mais como conheci – acho que foi na minha busca por podcasts). Acho o estilo de vcs excelente e isso é, basicamente, o diferencial deste podcast (acreditem, eu ouço muito podcasts).
    Quanto ao livro, adorei. Muitas emoções, política, sexo, enfim, muito bom mesmo. Tenho algumas ressalvas pequenas, mas que não tiram a qualidade maravilhosa do livro. Parabéns pelo post e vamos continuar nos pods.
    Um abraço para todos.

  24. Pingback: Podcast no Ônibus 7b – …ou vai morrer? : Séries no Ônibus

  25. Jorge Kfuri

    PQP! Zuado a menina que vive pronunciando “Táirion” qndo se refere ao Tyrion…

  26. Felideo Desittale Paravimnce

    Muito bom o podcast, gostei bastante!!! Ainda bem Que eu já li o livro, pois a quantidade de spoiler é imensa!!!

    Uma coisa interessante é e Que não tinha nem notado esse negocio do Jhon ser sobrinho do Eddard, achei interessante esse ponto!!!

    Mas não posso deixar de citar Que acho interessante se ater um pouquinho mais a produção do podcast, e dar uma organizada na falação simultânea, se policiar com os , vícios de linguagem como: Aííí, Né, Ta, Enfim!!!

    Mas o caminho é por ai!!! Não prometo escutar todos os podcasts, só os dos livros Que já li, mas seguirei sempre comentando!!! Valeu e até mais!!!

  27. Rodrigo Paula Rodrigues

    curti o podcast e pretendo ouvir outros episódios. no entanto, as conversas paralelas atrapalham demais a audição. espero isso seja corrigido nos capitulos futuros. no mais, continuem o belo trabalho.

  28. Roni

    Sua definição diz tudo. O quanto é difícil descrever em poucas palavras, um livro composto de muitos pontos de vista, cheio de intrigas e mistérios.

  29. Pingback: Explicando Séries de Fantasia com um Passeio de Carro. | Grifo Nosso

Adicione um comentário