Notícias Subterrâneas: Semana 29

Escrito por: | em 21/04/2012 | Adicionar Comentário |

Saudações! Começando o relatório da vigésima nona semana das Notícias Subterrâneas, cobrindo os lançamentos de 15 a 16 de abril. Desta vez sem nenhum atraso (sem fotos de Barbie)! Adentraremos novamente os Reinos Subterrâneos da literatura para desbravar os melhores lançamentos internacionais e nacionais pouco divulgados ou pouco comentados.

Aos leitores novos, os avisos de sempre: cliquem nas capas para mais informações ou comprar; * e ^ indicam livros disponíveis para kindle ou em audiobook, respectivamente; escolho livros pela capa e sou igualmente chato com todos.

Lançamentos Americanos

Deadfall Hotel (Steve Rasnic Tem)

deadfall hotel

O livro de terror psicológico da vez. Deadfall Hotel é a mais nova obra de Steve Rasnic Tem, que é por sua vez mais um desses autores cheios de nomeações e vitórias de prêmios muito respeitados, mas como escritor de contos e não de obras longas.

Deadfall Hotel é um ponto no inconsciente coletivo onde os pesadelos se hospedam e onde Richard Carter e sua fila Serena iniciam uma nova vida gerenciando tal antro do bizarro e do horror. O livro em si é uma coletânea de crônicas que aprofundam a ralação pai-e-filha entre os protagonistas e exploram a origem do medo, a efetividade dos mecanismos literários usados pelos autores de terror do último século e o fascínio pelo bizarro. Deadfall Hotel também foi ilustrado por John Ken Mortensen em um estilo cartunesco que em alguns contos gera um clima incrivelmente bizarro.

Pax Britannia, livro 9, 12 ou 3: Pax Omega (Al Ewing)*

pax omega

Finalmente vemos o fim de Pax Britannia se avultando no horizonte. Ou quase.

Pax Britannia é uma série steampunk iniciada por Jonathan Green há algum tempo e que fagocitou o autor Al Ewing posteriormente. Enquanto as histórias de Ulysses Quicksilver, contadas por Green, são o centro do universo de Pax Britannia e estão em seu oitavo livro, Ewing escreveu uma trilogia estranhíssima com diversos coadjuvantes carismáticos (ou só estranhos mesmo) que permeiam os cantos escuros de Magna Britannia. Pax Omega marca o final das histórias destes personagens. Doc Thunder, El Sombra, Locomotive Man, Jacob Steele (um nome mais criativo que o outro) enfrentam pela última vez seus nêmesis com nomes ainda mais ridículos.

Não sou um fã de Pax Britannia. Por mais que goste de um pouco de fantasia galhofa, Pax Britannia é galhofa demais. Não sei como as histórias de Ewing se comparam à narrativa principal, mas caso alguém queira adentrar esse mundo é com certeza mais fácil começar com a saga de El Sombra do que com os nove livros de Ulysses Quicksilver.

Lançamentos Ingleses

Curse Workers, livro 3: Black Heart (Holly Black)^ 

black heart

Nosso primeiro tapa-buraco Mais um sucesso de Holly Black, autora d’As Crônicas de Spiderwick (que geraram aquele filme alguns anos atrás). A conclusão da trilogia Curse Workers simboliza uma facilitação do meu trabalho, visto que sempre que falo de trilogias faço uma revisão em velocidade máxima:

O mundo de

Curse Workers é “semelhante” ao nosso, mas com um pequeno detalhe de que 1% da população mundial é capaz de usar magia (logicamente não sistematizada ou muito complexa). Os humanos capazes de usar magia são perseguidos e condenados em uma caça as bruxas moderna, literalmente. Cassel Sharpe, o protagonista, é herdeiro de um império criminoso da máfia mágica e um também um assassino. Perseguido pelas lembranças da garota de catorze anos que assassinou na escola e detestado por sua família por sua incapacidade de usar magia, Cassel passa por uma longa saga para encontrar seu lugar entre a lei e sua família.

Se alguém quiser especificamente uma história de mafia mágica com família Adams, Curse Workers pode ser interessante.

Remy Chandler: A Hundred Words for Hate (Thomas E. Sniegoski)

a hundred words for hate

Primeiro, confesso que escolhi o livro pela capa antes de ler a sinopse. Então aqui vai a sinopse:

Mais um livro sobre anjos, mas desta vez com detetives também, A Hundred Words for Hate gira em torno de Remy Chandler, aparentemente o protagonista de muitas obras vindouras. Em sua primeira missão, o anjo exilado parte em busca da chave para o Jardim do Éden com a ajuda de um anjo caído que pode se tornar seu novo parceiro. A grande tensão do livro é o conflito entre as facções de seres sobrenaturais ou celestiais que querem retornar ao Éden ou temem o que pode estar trancado nos jardins.

Livros que somam o quinto

liberatorguerreiro de aukazland

Estou Lendo

As Crônicas de Gelo e Fogo, livro 4: O Festim dos Corvos

Aproveitando a onda de Martin que invade as livrarias, estou lendo O Festim dos Corvos, mas antes de falar sobre isso, minhas últimas considerações a The Final Empire.

O primeiro livro de Mistborn é uma obra excelente. Não é genial, não é revolucionária, não é nova, mas é muito boa. Considerando que se trata de um história de revolução com um time especializado, não esperava que o resultado fosse tão incrível, principalmente pela forma irônica com que os protagonistas se referem a diversos clichês da história. Falando em clichês, por mais que pareça uma Mary Sues a princípio, Kelsier evolui monstruosamente e supera todos os clichês de herói rebelde em que foi baseado, principalmente pela presença da Vin como um personagem de apoio nas partes mais pessoais de sua história. E embora não haja nenhuma ideia incrivelmente ousada sendo discutida, The Final Empire também consegue refletir profundamente sobre diversos temas dentro de sua proposta de distopia sem nunca se tornar uma obra realmente densa ou pesada, mas creio que isso seja um padrão de todos os livros do Brandon Sanderson (considerando que The Wayof Kings e The Final Empire são assim). Só senti falta de mais construção de mundo, embora o livro já seja muito extenso.

Quanto a O Festim dos Corvos, estou na página 100. E incrivelmente descontente. Pelo começo do livro me parece que as Crônicas de Gelo e Fogo estão sofrendo de uma séria macrocefalia, com tantas coisas acontecendo que o autor tem problemas em manter o leitor atualizado de tudo. Meu principal desagrado vem da ausência dos personagens icônicos até agora, pois nos últimos três livros considerei a série como uma sequência descerebrada de momentos tensos sem nenhum envolvimento intelectual real (se alguém percebeu alguma pérola de sapiência na série, por favor me conte) mas unidos por personagens complexos e fortes. Ver os mesmos personagens sendo deixados de lado assim só para ampliar um pouco mais o mundo e adicionar mais lutas políticas e violência descerebrada está longe de ser a forma como queria que O Festim dos Corvos começasse.

Ao menos o fluxo do enredo ainda é o mais dinâmico e completo dentro da fantasia, garantindo que minha raiva seja bem empregada em devorar mais cem páginas por dia.

Obrigado a todos pela presença.

Batam palmas para comemorar que acertei o horário e comentem sobre os livros, deixem sugestões de lançamentos para as próximas semanas ou previews, digam o que estão lendo e fiquem tristes pela ausência de minha foto vestido de Barbie.

Até a próxima semana, quando mergulharemos de cabeça em um dos mais esperados lançamentos do semestre!

Menções Honrosas

chaospoints of hopethe cavalierwhite horseand they all fall down



Categorias: Notícias Subterrâneas
Tags: , , , , , , , ,

Lorde Worth

Caçador de Hobbies exóticos, leitor obsessivo e jogador compulsivo.

4 Comentários sobre Notícias Subterrâneas: Semana 29

  1. Renan MacSan

    Cara, estou quase na página 400 de Festim dos Corvos e estou concordando com as críticas que li… ele se perdeu.

    Parece que ele resolveu agora contar as histórias de cada um dos 7 reinos de Westeros, quer fazer algo muito grandioso mas isso não cabe, dessa forma cria novas tramas desinteressantes e não desenvolve as que queremos ver.

    Sério, se eu fosse editor cortaria uns 50% desse livro, histórias desnecessárias. Pouco me importa os Greyjoy, até gosto de Dorne, mas a trama deles não é cativante.

    E se prepara que o livro 5 recebeu críticas parecidas embora tenha mais personagens conhecidos.

    • Lorde Worth

      Que desanimador. Nossa, vejo longas horas de sofrimento para passar por tudo isso.

      Algo realmente importante do enredo aconteceu até agora ou posso pular logo para o começo do cinco e me decepcionar de novo?

      Se foi algo assim que também aconteceu com The Wheel of Time será mais uma série que nunca conseguirei concluir.

  2. Ronaldo Cavalcante (@RonaldoCav)

    Extremamente desapontado com sua pontualidade, Sr. Worth… tsc tsc stc.

    Black Heart acendeu uma fagulha aqui, mas não sei não… Máfia Mágica???

    A hundred words for hate por outro lado parece ser legal. Pena que sempre colocam essa união de um ajo exilado com um anjo caído… partes da trama podem ser previstas desse modo. Espero estar errado.

    A capa de O guerreiro de Aukazland até que ficou legal… lembra muito uma passagem do Final Fantasy 13.

    • Lorde Worth

      AHA! Sem fotos de Barbie!

      Meu deus, Final Fantasy 13… Nunca mais conseguirei olhar para essa capa do mesmo jeito. Eu realmente não tinha feito essa ligação.

Adicione um comentário